sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Mas o que eu gostava mesmo...

Era que a cor de fundo do texto anterior ficasse igual a sempre!!

2010

As palavras que se seguem não são minhas. São da Maria, a Maria do sonho. E eu espero que a Maria não fique chateada comigo porque lhe roubei este excerto de texto que tanto me diz. 2010, entre muitas outras coisas, foi assim...

"Pessoas assim, que dão tudo com um despojamento exacerbado, que fazem dos outros uma prioridade em tudo na sua vida, apresentam sempre contra-indicações fortíssimas. À cabeça, uma intolerância crónica em relação ao facto de receberem menos do que aquilo que dão conjugada, à posteriori, com uma reacção quase alérgica ao desprendimento alheio. Se aliarmos isto a uma memória e intuição cirúrgicas facilmente se explica o efeito granada sempre tão iminente."

Para 2011, desejo Mudança. E Saúde. Trabalho e Amor também serão bem vindos.

Para todos, que os vossos desejos ganhem vida.
Feliz 2011!!

*Parabéns Maria, porque escreves tão bem. 

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Não são os quilómetros que nos separam. É a distância.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Que futuro?

Ele é um São Bernardo com memória de peixe.
Ela é uma Setter Irlandesa com memória de elefante.

sábado, 16 de outubro de 2010

So true

Imagem roubada de um blog. Não me lembro qual... :s

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Da triste violência humana

Uma pessoa pode tirar a vida a outra sem precisar de a matar.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Não sei...

"Quando o PORQUÊ é forte, o COMO torna-se fácil."
Lou Radja

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Deve ser verdade

Closer

Alice: Is it because she's successful?
Dan: No. It's because... she doesn't need me.

sábado, 18 de setembro de 2010

O peito de alma e os olhos de lágrimas


Parei na RTP Memória e estremeci. Os cinco sentidos, eu vi, ouvi, toquei, cheirei, saboreei esta música. Era a voz da Simone de Oliveira. Quis saber do original, Carlos do Carmo. Já conheci tantas versões, em todas sinto o peito cheio. Deve ser de alma. Há poucas coisas que me enchem, me apanham desprevenida, nua, que me desarmam. Esta foi uma delas.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

O bom de dormir no sofá é que a cama acorda feita.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Um dia calço as pontas outra vez


Alguns dos melhores momentos da minha vida foram dançados.

Imagem tirada da net

terça-feira, 31 de agosto de 2010

"Ter medo não é motivo para não contar a verdade"

Eu tenho bastante 'jeito' para descobrir mentiras que me magoam. Ou verdades que me magoam.
Não sei bem porquê, parece que sinto no ar o medo de quem me mente, que vejo os pensamentos da verdade como ela não me é contada. Mais tarde ou mais cedo, acontece. Às vezes fico só triste, quase sempre sou assolada pela revolta. E de todas as vezes, não me canso de repetir que fui magoada em dobro, pela mentira e pela verdade, que isso não se faz. Com o tempo, já perdoei mentiras, mas dificilmente as esqueço. As verdades, consigo encará-las e até aceitá-las, e pese embora alguma tristeza, dói menos a lembrança.

Não me mintam, é o que peço sempre. Mas, se por acaso o fizerem, façam-no bem. De tal forma que, daqui a 20 anos, eu olhe para trás e dificilmente acredite em verdades mentirosas.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Naquele dia

Naquele dia pôs mais rímel do que o costume, achou que assim as lágrimas não se atreveriam a saltar. Tremeu tantas vezes quantas sentiu o coração estrangulado, as mesmas em que o medo pareceu muito maior do que ela. Imaginou o que seria sentar-se e falar, sentar-se e contar das suas verdades, de si, de tudo lá dentro que lhe dói.
Coisas pequenas, pensa tantas vezes, "tem vergonha", porque lhe ensinaram que há sempre alguém pior, que "tens tanta sorte". Mais não seja, deve então aprender a saber viver a "tanta sorte" que tem.
Naquele dia acreditou que o primeiro passo estava dado, o mais difícil. A partir de amanhã viveria a ressaca de tempos pouco felizes - ela sabia que as ressacas nunca são fáceis, mesmo as da tristeza - depois, a pouco e pouco, como um bebé que começa a caminhar, ela começaria a caminhada dos passos que já deveriam ter sido dados há tempo demais...
Sente tanto que o tempo lhe está a roubar vida. Uma vez disse que, quando olha para trás, fica a angústia de ter perdido alguém que lhe morreu, alguém que ela não chegou a ser.

Como eu gosto de lê-la...

À "Mãe".

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Esta simulação de noite Outono/Inverno está muito agradável. Mas ainda me faltam tantos dias de Verão...

Aprende

Perder a hora do almoço a tentar ir ao shopping num dia chuvoso de Agosto é uma ideia a não considerar novamente.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

terça-feira, 13 de julho de 2010

Muito mais do que cansaço

Faltam 13 dias de trabalho para as férias.
E eu acho que não aguento nem mais um.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

9 de Julho de 2003

Faz hoje 7 anos que terminei o curso.

A defesa da monografia foi às nove e meia da manhã. Disseram que transmiti muita tranquilidade, segurança, que fui bastante clara e concisa naquilo que expus.
Tranquila?
O júri não ouviu o meu coração, nem se apercebeu que agarrei de tal forma a lapiseira de metal do meu avô que lhe fiquei com o cheiro nas mãos.
Depois dos cumprimentos e das felicitações fui para casa. E do que me lembro melhor, nesse dia quente, é de estar deitada na cama e perguntar em voz alta “E agora?...”

segunda-feira, 5 de julho de 2010

terça-feira, 29 de junho de 2010

Gosto #2

110º Aniversário de Antoine de Saint-Éxupery pelo Google


A dias de fazer 30 anos...

Tirei o cartão jovem. :)

terça-feira, 1 de junho de 2010

E quando não quero também

Às vezes, quando quero, consigo ser muito má da boca para fora.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Vazia

Se tu soubesses como o sítio do meu coração está vazio. Não o amachucaste, não o despedaçaste, arrancaste-o de forma tão violenta que me falta o ar. Que suspiro fundo, que inspiro e tento ir buscar força ao mais profundo que consigo e só estremeço e fecho os olhos e tento que esta coisa má saia quando expiro. E fica lá o mesmo vazio de uma dor tão grande, uma dor ainda cheia de raiva que infelizmente vai passar. Porque ninguém sustenta a raiva para sempre. E depois vem a tristeza e depois a mágoa e depois a vida como ela era. Mas sem coração.


Imagem tirada da net

quinta-feira, 13 de maio de 2010

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Um dia destes experimento lavar o carro.
Buddha Eden, Abril de 2010

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Gosto #1

170º Aniversário do nascimento de Tchaikovsky pelo Google

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Dos últimos 44 dias

- A minha primeira vez. Fui autuada. Consegui, à porta de casa dos meus pais, onde eles vivem há mais de 20 anos, estacionar o carro numa rampa de acesso a uma garagem. Sem comentários. Ver-go-nha...

- Um sábado quente e cheio. Caminhada à beira-rio pela manhã, almoço no Palácio de Cristal, passeio pela Ribeira e final de tarde com fino e tremoços numa esplanada.

- A bela notícia de que tenho uma sinusite, e passo a citar, "do tamanho de uma casa", bem como a confirmação da operação. Foi principalmente animadora a parte em que a médica, ao fim de 5 minutos de consulta e só de olhar para mim, comentou o meu desvio do septo nasal.

- O 70º aniversário do P., o 96º aniversário da Avó L. e o 85º aniversário da Avó E. Datas muito bonitas com festejos especiais, cheios de família.

- A visita ao Buddha Eden.

- A festa do 30º aniversário da minha amiga X. onde reencontrei e relembrei as minhas pessoas antigas e o nosso passado de adolescentes. Dançamos, cantamos, abraçamos e sorrimos muito. E eu gostei tanto...

terça-feira, 20 de abril de 2010

Hoje não tinha por que ser um mau dia. Mas com o passar das horas ficou. E a culpa deve ser minha. Um pensamento aqui, outro, mais um, todos pouco bons e eu fiquei assim, tão chateada com este dia...

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Tenho saudades de ler a Inês.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Acho mesmo que era ela

Eu posso jurar que hoje ao final da tarde vi a Little Miss Sunshine numa paragem de autocarro a tocar guitarra com uma raquete de ténis. Só a mãe é que não era lá muito a Toni Collete.

Never ever

I can read

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Já podes calar-te

Gostava muito de escrever qualquer coisinha, mas paira por aqui uma voz de tom ameaçador a perguntar se amanhã não trabalho, se por acaso não olhei já para o relógio e me assustei, se não acho mesmo que são horas de estar a dormir.
Pronto vozinha, tou a ir para a cama tá?
Boa noite.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Eu vou saber fazê-lo

Eu tenho um trabalho. Ganho o meu dinheiro para nos sustentar aos três: à casa, ao carro e a mim. Dá para o gasto. Agora, o que eu precisava mesmo era de alguma coisa que me sustentasse a alma. Não este trabalho, não este dinheiro. Eu precisava de acordar com muito sono, muito cansada porque no dia anterior tinha trabalhado até tão tarde que no final da noite já só tinha havido tempo e disposição para uma sopa pré-cozinhada. Mas esse dia tinha sido pleno. Pleno de trabalho e de realização. Problemas, tarefas árduas, pessoas menos fáceis, dificuldades, também estariam presentes. E dores de estômago, do nervoso que mói. Só que antes de adormecer, mesmo com os olhos pesados e o corpo mole, entrando já num sono merecido, eu esboçaria um sorriso com vontade do dia seguinte, para fazer mais e melhor. Porque saberia fazê-lo.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Ou isso, ou estou hiperactiva

Percebo a dimensão do meu estado de impaciência quando:
Chego a casa e tento fazer as tarefas todas bem rápido para conseguir instalar-me no sofá a tempo do programa que gosto tanto de ver. Aterro no sofá 10 minutos antes do dito começar. Ao fim dos mesmos 10 minutos estou sem a mínima pachorra para continuar sentada em frente à televisão. Mas faço um esforço. E ao fim de 5 minutos do programa já mudei de canal.
"-Os homens já não se lembram desta verdade - disse a raposa. - Mas tu não te deves esquecer dela. Ficas responsável para todo o sempre por aquilo que cativaste. Tu és responsável pela tua rosa..."

"O Principezinho", Antoine de Saint-Exupéry

segunda-feira, 22 de março de 2010

Aquele que dizem que fica para sempre

Foste o meu primeiro amor.
No meio de vidas adolescentes, os nossos sentimentos andaram desencontrados, ora eu gostava de me perder a olhar para ti, ora sabia, porque o teu olhar me dizia, que podias perder-te comigo.
Numa noite, entre copos e coisas que se dizem sem saber, eu adivinhei-nos o futuro, "Um dia vai acontecer". E numa outra noite, já menos adolescentes mas com os mesmos olhares, perdemo-nos num beijo apaixonado que foi o primeiro de muitos.
O tempo passou, até hoje não me perdoo porque não sei com precisão quanto tempo nem com clareza como vivemos cada dia, mas passou e eu tenho a certeza que fui feliz contigo. Recordo conversas, discussões, lágrimas, telefonemas, saudades, abraços e arrepio-me porque me lembro do tanto que sentia nesta nossa relação.
Porque éramos tão novos e tão inocentes e era muito bom poder viver assim, mesmo sabendo que o amanhã seria o nosso hoje - porque eu sabia - que tu és grande e que as pessoas grandes precisam de agarrar o mundo enquanto os outros se confortam a viver nele.
Já não sei bem em que altura, seguimos os caminhos que as nossas outras vidas nos traçaram. E crescemos. E crescemos mesmo, porque eu hoje sinto o peso do tempo que já foi.
Hoje, que conversamos como se o passado fosse ontem - obrigada, soube bem - despedimo-nos com saudades. Minhas, tuas, e, porque não?, nossas, no nosso tempo.

"E quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não te metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera e volta a esperar. Fica quieta, em silêncio e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te e vai para onde ele te levar."
"Vai aonde te leva o coração", Susanna Tamaro

sexta-feira, 19 de março de 2010

Tiago Bettencourt & Mantha - O Jogo

"Tudo o que é meu é tudo o que eu não sei largar

Queres levar tudo o que é meu e tudo o que eu não sei largar..."

quarta-feira, 17 de março de 2010

terça-feira, 16 de março de 2010

500 Days of Summer

Summer: I woke up one morning and I just knew.
Tom: Knew what?
Summer: What I was never sure of with you.

domingo, 7 de março de 2010

Hoje, há um ano atrás II

Vim morar para esta casa.

Deste ano, aqui, recordo entre tantas outras coisas...
- As primeiras noites, na companhia da minha irmã
- O 'baptismo' com as minhas miúdas e um brinde com espumante em cada canto da casa
- Um bonsai que não sobreviveu
- Uma noite em branco
- Conversas à mesa com sabor a vinho bom
- Lágrimas, muitas
- Sorrisos, muitos
- Silêncios
- Alguns monólogos
- Uma sensação imensa de bem-estar, de conforto, de paz

Em momento nenhum me senti só.
Aqui, na 'minha' casa, sou realmente feliz.

quinta-feira, 4 de março de 2010


Lisboa, Março 2010

Declaração de Amorizade

"Tu és eu melhorada...
Porque eu sou a pessoa que mais amo no mundo! E tu és ainda melhor que eu!
"

Palavras da G., minha Amiga do coração, que tem destes momentos deliciosos!...

E o que vais inventar amanhã?

Ontem resolvi fazer limpeza a fundo ao meu quarto e quarto de banho. Entusiasmei-me e fui à cozinha também. Quando cheguei à cama não podia das costas.
Hoje decidi ir ao Ikea e no meio das compras veio uma estante que montei cheia de vontade assim que acabei de jantar. Parei agora. Já preparei a botija de água quente mas até tenho medo de ir para a cama...

Tudo isto depois de um dia de trabalho, claro está...

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

O que trará o meu coração no regresso?


A mala é pequenina, o bilhete é de comboio e a viagem demora 2 horas e meia.
Mas vai saber bem, vou ao encontro das saudades.

Para quando?...

Apetece-me tanto uma viagem. Daquelas com direito a bilhete de avião, mala grande e comprimido para o enjoo.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

A janela está suja, mas...

O Céu disse-me que amanhã vai estar Sol...

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Reunião de trabalho

Uma vez que não existe propriamente uma sede da empresa em Portugal, a cliente pediu para reunirmos em sua casa.
Como a sala estava ocupada, fui encaminhada para outra divisão.
O tempo todo estive sentada na beira da cama e a senhora numa cadeira de pano (daquelas muito boas para levar para a praia).
Eu pergunto. Quão credível pode ser este negócio?

domingo, 14 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Se ao menos amanhã fosse Sábado...

Tábua de queijos e enchidos. Tagliatelli salteado com salmão fumado, manga e ananás (...). Leite-Creme. Vinho bom.
Consegui rebolar até à cama. Agora duvido conseguir mudar de posição durante a noite inteira.

E aposto que vou sonhar com tanta coisinha que podia comprar com o dinheiro deste jantar...

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Londres, Novembro 2008 (foto de foto)

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Mais um sobre a queda

Quando no Domingo à noite, em pleno directo, o homem dos óculos resolveu atirar-se para o chão, eu estava confortavelmente instalada no meu sofá com um olho fechado e o outro aberto, a adiar a ida para a cama. Naquele momento despertei, claro está. E soltei um “ai...!” baixinho e fiquei na expectativa a ver se anunciavam um intervalo porque o homem tinha aberto a cabeça ou assim. E acho que me ri um bocadinho, mas só um bocadinho, porque de imediato ouvi a vozinha “Ana, não te rias da desgraça alheia que é feio” e portanto engoli o riso. Quando o vi agarrado à cabeça (mas sem sangue), “Ai coitado que ele agora vai ter que cantar e vai-se trocar todo” e a sentar-se ao piano “Pronto, agora é que é mesmo mau, ele não vai acertar com as teclas, está tudo perdido”, ajeitei-me também eu no sofá para ver o que sucedia. Entretanto, cantou ele, cantou ela e ninguém perdeu os sentidos. “Ok, correu bem, já passou, vamos aproveitar para ir para a cama que amanhã é dia e isto hoje já teve o seu momento alto...
Até ontem à tarde.
Ontem descobri que afinal a queda do homem não foi o momento alto do programa. Nem sequer o mais engraçado. A passear-me pelos blogs do costume (e tantos que falavam do mesmo), fui levada a rever as imagens do sucedido. E digo, sem dúvida nenhuma, o Manzarra esteve muito, mas muito melhor do que qualquer malho em directo. Desde o espontâneo “Ai f***-se!!” até ao rápido movimento como quem vai saltar de um penhasco, tudo isto a controlar o riso - digo eu, porque eu acho que o que lhe apetecia mesmo era mandar-se ele ao chão às gargalhadas - hilariante . E foi a minha vez de rir muito, até às lágrimas, sem vozinha nenhuma de fundo, com direito até a cuspir iogurte para o teclado. Foi muito, muito bom.

Muitos, bons, meus momentos

Keane - Perfect Symmetry

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Quero pedir-te, com quanta força tenho, que sejas paciente com tudo o que dentro do teu coração não foi ainda resolvido e que te forces a gostar das tuas próprias interrogações, como se de quartos fechados se tratasse ou de livros escritos numa língua muito estranha. Não procures as respostas que não te podem ser dadas porque não serás capaz de vivê-las. E o que importa é viver tudo. Vive, agora, as tuas interrogações. Talvez possas, depois, gradualmente, sem nisso reparares, viver até ao dia longínquo em que entres na resposta.”

Rainer Maria Rilke (1875-1926)

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Final de Domingo

Sofá, pijama, botija de água quente, manta, tv/pc [disputam a minha atenção :)].
Pena que nada seja perfeito, não é?...

Le fabuleux destin d'Amélie Poulain

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Não, 2ª feira não...


Pelo menos não igual a esta...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

...


Há momentos na vida em que o 'fim do mundo' é o melhor sítio do mundo.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

E este é o segundo

Mais difícil que o nome do blog é o primeiro post.

Um dia crio um blog

Dia 14 de Janeiro de 2010 foi o dia.