quarta-feira, 3 de outubro de 2012

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

segunda-feira, 25 de junho de 2012

14) A praia do meu Verão...


De areia fina, mar calmo, água morna, pouca gente.

13) O que mais gosto de comer no Verão...

Saladas!!

12) As noites de Verão...

(...) Depois da praia, o pôr do sol numa esplanada a saborear caracóis acompanhados por um fino. Há melhor?
Com o anoitecer, duas hipóteses: ou rumo a casa a pedir descanso ou ainda sobra uma réstea de energia para tomar um banho, vestir aquele vestido que fica tão bem com a pele bronzeada e ir ter com os amigos para muita conversa e caipirinhas.
Gosto de gozar cada hora de um dia de Verão...

sexta-feira, 22 de junho de 2012

11) As tardes de Verão...

(...) Na sombra, debaixo do guarda-sol, pego no livro do momento e procuro acomodar-me na melhor posição para desfrutar da leitura. Depois, à medida que o tempo vai passando, as posições vão estrategicamente mudando de forma a fugir do sol. Para ser franca, e apesar de ser uma amante do Verão, deparo-me com 2 pequenos problemas nesta altura do ano: 1) tenho pânico de escaldões; 2) com muito calor, dá-me o fanico. A partir das 16h começo a relaxar, às 17h toda a praia é minha e eu sou toda dela outra vez.
Gosto das tardes de Verão, mas acho que gosto ainda mais dos finais de tarde...

segunda-feira, 18 de junho de 2012

10) As manhãs de Verão...

As manhãs de Verão começam bem cedo. Gosto de saltar da cama mal os primeiros raios de sol entram pela janela, vestir o bikini e rumar à praia. Gosto da praia pela fresca, quando o calor ainda não aperta e o areal tem pouca gente. E gosto de apanhar o primeiro sol que ainda não queima e recolher para a sombra ao final da manhã...

9) O meu cabelo de Verão...

É assim a maior parte do tempo. Não só pelo calor, mas porque o meu cabelo tem uma vida própria e independente que eu ainda não consegui penetrar. Não é aos caracóis, não é liso, tem quebras diferentes de um lado e do outro, hoje está perfeito, amanhã nem com meia hora de secador vai ao sítio. Por isso, e visto que a água do mar ou da piscina não ajudam à coisa, esta é a melhor forma de o domar.

domingo, 17 de junho de 2012

8) Festas, arraiais e festivais de Verão...


O cheiro a Verão começa com o Senhor de Matosinhos. Final de tarde com um jantar à base de petiscos ou uma fartura seguida de passeio pelas barraquinhas sabe bem.
Mas, para mim, o Verão a sério começa com o S. João. A noite mais longa do Porto é a 23 de Junho. Ao final da tarde, o cheiro a sardinha assada invade a cidade. O caldo verde e os pimentos. Os manjericos e o som dos martelos. Quem consegue, foge do alho-porro. A musiquinha dos bailes de rua. O fantástico fogo de artifício visto das margens de Gaia ou do Porto, ou mesmo de um barco no rio. Lançar um balão é um desafio: preparar bem o balão, acendar a mecha, verificar se o balão está cheio, rezar para o vento ficar fraco, "podem largar!!". E ficar a olhar para o céu na expectativa "Será que vai arder?...". Cada lançamento bem sucedido é motivo de festa e aplausos, o céu fica cheio de pontos laranja. Fazer kms a pé e acabar a noite em Miragaia, ao som de música pimba que ninguém conhece mas toda a gente sabe a letra.
Falta muito pouco para o S. João e, por aqui, já se fazem planos!

quarta-feira, 13 de junho de 2012

7) A minha bebida preferida no Verão...

Água. Eu digo muitas vezes que a água é a melhor bebida do mundo, e mesmo não bebendo a quantidade que deveria, para mim não há melhor do que um copo de água fresquinha (não gelada!) num dia quente de Verão.
Já as noites... Gosto das noites quentes com sabor a caiprinha...

...
Falta muito para chegar o calor a sério?... :s

Às Amantes e ao Staff das Amantes de Verão

Há 7 dias que estou a falhar neste desafio. Não é por desmazelo ou falta de vontade ou algum motivo grave. E ok que isto também não é propriamente a toma da pílula: falhas uma e está o caldo entornado, mas a verdade é que me chateia não estar a cumprir aquilo a que me propus.
Adiante, passo a explicar.
Na semana passada descobri que tenho a habitar dentro de mim uma p...êga de uma bactéria de seu nome Helicobacter pylori (coisa bonita de nome pomposo que o google explica). Vai daí, foi decisão unânime (do meu médico) que o melhor seria aniquilar a dita. "Dois antibióticos de 12 em 12 horas e dois gastrorresistentes por dia, durante 15 dias. Ah, é possível que uma ou outra vez sintas ligeiras náuseas." Como disse? "É possível?" "Uma ou outra vez?" "Ligeiras náuseas?". A sério, P., podias ter sido sincero. "Essa medicação é forte como o caraças e de certeza que nos primeiros dias vais andar no limite entre o chamo-o-gregório-não-chamo-o-gregório". Mais. "Além de teres que engolir quatro pedregulhos por dia, o sabor com que ficas na boca durante horas e horas é nojento". Pronto, era só isto, teria sido mais simples na medida eu que não tinha sido apanhada desprevenida. Enfim, já lá vai uma semana e a coisa parece estar a melhorar. Vejamos se assim é.
Ora, eis senão quando, no dia em que decido vir actualizar aqui a casa e pôr ordem na situação, me deparo com o meu computador em estado de semi-coma. Este portátil é uma relíquia que faz os funcionários das lojas de informática sorrir, lançar piadinhas e perguntar se não estarei interessada em 'adquirir uma máquina nova'. Estou muito interessada, de facto. É só ofereceres.
Por tudo isto (que são só duas razões), tenho estado ausente do blog e do desafio. E agora o desafio é a dobrar: voltar à carga e actualizar os dias em atraso. Palavra que vou fazer os possíveis para vos apanhar e acompanhar. Até lá, desculpem qualquer coisinha...

quarta-feira, 6 de junho de 2012

6) O meu calçado de Verão


Melhor do que calçado de Verão. Calçado de FÉRIAS DE VERÃO. E restos de praia nos pés. 

terça-feira, 5 de junho de 2012

5) Um segredo de Verão


Não é propriamente um segredo.
Este pacotinho de açucar (que na foto se lê muito mal :/ ) anda comigo desde o Verão passado.
Não que eu ache que me tenha apaixonado pelas pessoas erradas, simplesmente não seriam as certas para mim. Por isso, num café num dia de Verão, li esta mensagem, pensei e quis acreditar acreditei: "O universo não dorme." :)

segunda-feira, 4 de junho de 2012

sábado, 2 de junho de 2012

sexta-feira, 1 de junho de 2012

1) O Verão da minha infância...

O balde amarelo com uma cara sorridente.
A geleira verde com riscas azuis.
O  barco de borracha vermelho.
A touca e o calção de banho de xadrês amarelo.
O protector solar Nívea em óleo de cheiro bom.
Gelados de areia (areia molhada, sabor a chocolate; areia seca, sabor a baunilha. "Que sabor queres, Pai?")
O Gerês.
A piscina de casa dos meus tios.
Os mergulhos nas cavalitas do meu primo.
As melgas à noite e muitas borbulhas de manhã. Finalmente, o repelente.
As primeiras braçadas sozinha e muita, muita felicidade.

Verões de três meses e quentes, mesmo quentes.
Saudades dos Verões da minha infância!....

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Eu que nem sou capaz de os comer

Hoje utilizei a expressão "matei dois coelhos com uma cajadada só".
Não é uma imagem bonita.

domingo, 27 de maio de 2012

domingo, 13 de maio de 2012

Parabéns, Mana linda!



Dizem que o amor de mãe não se explica. Eu não sei, não sou mãe, mas acredito. Porque da mesma forma eu não sei explicar o amor de irmã.

Era uma vez uma menina pequenina que tinha uma boneca. Uma boneca de vestido castanho, avental às flores e cabelo ruivo. Essa boneca era a sua companheira de então.
Um dia, a menina decidiu que ela e a sua companheira iriam juntas para a Escola e sentou a boneca ao seu lado, no banco de trás do carro que o pai conduzia. Uma vez chegadas ao destino, a menina saltou do banco, despediu-se do pai com um beijo e correu para a entrada da Escola. Mesmo na porta, parou repentinamente e olhou para trás. O carro já estava a arrancar e nem um aceno agitado permitiu que o pai a visse. A menina ficou de imediato com os olhos em lágrimas que depressa lhe rolaram pelas faces. Que tristeza tão grande…
Uma auxiliar aproximou-se e pegou a menina nos braços, “O que foi?...”  -“A minha boneca… A minha boneca ficou no carro….” Ouviu, entre soluços. “Eu quero a minha irmã…” E foram à sala de aula onde estava a irmã da menina e levaram-na para junto dela.
E aquele encontro secou-lhe as lágrimas e aquele abraço afastou-lhe a tristeza.

Esta é a primeira memória que tenho do sentimento que me une à minha irmã. Com ela, tenho a mais bonita história de amor que a minha vida conhece. Obrigada, mana!


quinta-feira, 10 de maio de 2012

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Mania #3

Releio sempre, mas sempre, as sms's antes de enviar.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Maio

Não quero saber da chuva, do frio ou dos abutres que insistem em pairar. Vou fazer de Maio um bom mês.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Hoje vi-me envolvida numa situação que provavelmente daqui a algum tempo - espero eu -, olhando para trás, vai fazer-me rir. Para já, faz-me pensar que o cabrão do karma pegou de ponta comigo.

E eu estou cansada. Estou mesmo cansada.

domingo, 22 de abril de 2012

terça-feira, 17 de abril de 2012

Dava jeito

Neste dia de chuva, vento e frio, vi uma Joaninha. Diz que traz sorte.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Ainda só é terça

Tenho uma dor de cabeça com 36 horas. Há 32 fiquei sem carro. Por causa disso, nas próximas 24, a minha conta bancária vai levar um rombo.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Da vizinhança

No Domingo de Páscoa, a minha vizinha da frente pôs pétalas de rosa na porta da entrada. No resto do ano põe sacos do lixo a empestar o corredor.

domingo, 8 de abril de 2012

Páscoa

Imagem tirada da net

Por aqui, Páscoa é Família. E eu vou agora ter com a minha.
Boa Páscoa!

quinta-feira, 5 de abril de 2012


O único gato - neste caso, gata - que quebrou todas as minhas defesas. Que se enroscou nas minhas pernas quando eu fiquei inerte de medo, que me pediu mimo fazendo-me esquecer que era eu quem precisava de o receber, que me ensinou a brincar em vez de fugir.
Nunca foi meu, mas adoptou-me carinhosamente e eu sabia que ele voltava sempre. E voltou, até não poder voltar mais. E eu chorei muito e tive a certeza que nunca mais encontraria um gato amigo.
Continuo a ter receio, desconfiança e respeito pelos gatos. Dificilmente me aproximo deles. Mas agora, sempre que me encontro com algum, já não viro a cara e faço de conta, agora digo 'olá bicho' e sorrio.
Ainda tenho saudades da gata que nunca foi minha.

sexta-feira, 30 de março de 2012

A reter

- Estar anestesiada dá direito ao soninho mais maravilhoso.
- Acordar de uma anestesia dá direito a dizer disparates em catadupa.

segunda-feira, 26 de março de 2012

E espirrar depois de pôr o rímel?...

terça-feira, 20 de março de 2012

Mania #2

Adormeço sempre com a televisão ligada.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Gosto #9

Dia da Mulher, pela Google

segunda-feira, 5 de março de 2012

Sou o único ser vivo que sobrevive ao meu cuidado

Primeiro foi um bonsai. Depois uma orquídea.
É triste.

domingo, 4 de março de 2012

Mania #1

Deixo sempre um fundo de café na chávena.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

"Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, mas não vai só nem nos deixa sós. Leva um pouco de nós mesmos, deixa um pouco de si mesmo."

Antoine de Saint-Exupéry

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

A propósito da cena da Meryl Streep nos prémios BAFTA, dei por mim a recordar uma fase, ou melhor, duas fases da minha vida bastante estúpidas. Numa, eu perdia tacões semanalmente; na outra, atirava-me para o chão numa média de intervalos de quinze dias. Aconteceram as duas há muitos anos.
Andava no secundário quando comecei a perder tacões. Eu não sei bem o que acontecia, mas quando dava por ela, tinha dado dois passos e o tacão tinha ficado lá atrás. E eu ía recolhê-lo. Da primeira vez que isso aconteceu, fiquei um intervalo inteiro (dos grandes) quieta no mesmo sítio, com a bota pousada no tacão como se nada fosse. Finalmente tocou para dentro, a multidão dispersou e eu saí da escola o mais rápido que consegui. Depois corri 15 minutos em bicos de pés, com uma bota normal e outra à Aladino até entrar num sapateiro que fez o favor de me resolver o problema. E esta foi só a primeira de muitas.
A fase das quedas começou na faculdade. Também não sei qual era o fenómeno, mas de cada vez que tropeçava - e eram muitas vezes - acabava no chão. Lembro-me de vários episódios, o último foi o melhor. Estava a atravessar a rua, mesmo à entrada da faculdade, carteira, cadernos, casaco, pronto, lá fui eu raspar com as mãos mais o joelho, tudo espalhado no chão e mais o carro que vinha muito devagar mas que me contornou muito direitinho e eu vermelha de vergonha mas sobretudo furiosa porque já estava mesmo farta de cair. Esta foi a última vez que caí.
Até hoje.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Gosto #8

200º Aniversário de Charles Dickens pela Google

domingo, 5 de fevereiro de 2012

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Ponto de situação

Aquilo que pode ser - mas ainda não é - uma boa notícia, que para já é ansiedade, cabeça em água e, a esta hora, cansaço e muitas dores nas costas.

Noite, hoje e só hoje, dá-me por favor um sono sossegado sem despertares de coração acelerado ou sonhos verídicos. Sete horinhas bem dormidas, é o que peço.

domingo, 22 de janeiro de 2012

"It has been said, 'time heals all wounds.' I do not agree. The wounds remain. In time, the mind, protecting its sanity, covers them with scar tissue and the pain lessens. But it is never gone."

Rose Kennedy

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Tenho a minha sala não-natalícia de volta.
E uma contractura nas costas.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Houvesse ben-u-ron para isto...

Será possível ter um surto febril com origem num estado raivoso nervoso?
No ano em que a Coca-Cola "roubou" o ano novo à Super Bock, eu passei as 12 badaladas na rua a brindar, abraçar e a pedir poucos desejos, repetidos e atropelados. No céu, as luzes do fogo, dentro de mim, o barulho dos foguetes. A noite foi memorável.

domingo, 1 de janeiro de 2012